[ad_1]

A moObie irá além das pessoas físicas e colocará donos de pequenas frotas em seu aplicativo de compartilhamento de automóveis no segundo semestre de 2020

Diversas startups apostam no compartilhamento para transformar a mobilidade urbana – e uma delas está de olho também nos pequenos empreendedores do ramo.

A moObie une donos de carros ociosos a usuários que buscam um veículo para dar apenas alguns dias de passeio. Agora, a startup está pilotando a entrada dos microlocadores em seu aplicativo – aqueles que têm até dez carros no estoque.

A nova frente será uma das estratégias para manter o alto crescimento da moObie, que quintuplicou de tamanho no último ano.

Ideia de negócio da mo0bie: carros compartilhados

A moObie foi criada por Tamy Lin em maio de 2017. A ideia de negócio veio de uma das primeiras experiências de trabalho da empreendedora: ela ajudou a criar um plano diretor para a mobilidade de passageiros no Departamento de Estradas e Rodagem de São Paulo.

Depois, Lin trabalhou no mundo executivo. Passou por um estágio de verão na sede do Google, nos Estados Unidos, e em multinacionais como Boston Consulting Group, Smiles e Telefônica/Vivo. “Quando decidi empreender, foi natural escolher o setor de mobilidade”, diz.

Lin foi estudar modelos de compartilhamento de automóveis nos Estados Unidos e na Europa. Acabou fugindo da frota própria e apostou em um modelo chamado de peer to peer, ou “de pessoa para pessoa” (P2P). É o formato adotado também pelas americanas Getaround e Turo.

Tamy Lin, da moObie: experiência com mobilidade e com multinacionais (Foto: moObie/Divulgação)
Tamy Lin, da moObie: experiência com mobilidade e com multinacionais (Foto: moObie/Divulgação)

A moObie conecta donos de carros ociosos a usuários que querem alugá-los por alguns dias por meio de um aplicativo. Com o formato, a startup causa impacto econômico e social sem a necessidade de gerir um exército de automóveis. “Geramos renda familiar adicional, mas não colocamos mais veículos no mercado. São 55 milhões de automóveis no Brasil, mas eles passam 90% do tempo parados”, diz a empreendedora.

Do lado de quem usa os carros, a moObie concorre com locadoras e outras startups do ramo, como a Turbi. A moObie diz ter como diferenciais sobre locadoras comuns oferecer um aluguel de carro específico, e não apenas de uma categoria; dar acesso a avaliações; e não exigir caução, um dinheiro depositado para cobrir possíveis inadimplências.

Do lado de quem é dono dos automóveis, a moObie afirma só ter concorrentes quando eles precisam dirigir – o que abrange desde startups como BlaBlaCar até gigantes como 99 e Uber.

A moObie cobra 20% de comissão do locador sobre o valor de cada diária obtida, além de uma taxa fixa de R$ 10 por diária cobrada do cliente final. É preciso alugar no mínimo uma diária. O tíquete médio vai de R$ 120 a R$ 130. A maioria das pessoas aluga carros para feriados e finais de semana, com duas ou três diárias.

A moObie tem hoje mais de 550 mil usuários cadastrados, entre locadores e usuários finais. São mais de 55 mil veículos na frota da startup.

Parceiria com a EuroIT

Em parceiria com a EuroIT, A moObie tem uma super oportunidade para as primeiras locadoras que utilizarem a plataforma: Um canal dedicado para acompanhar suas primeiras reservas através de um atendimento exclusivo!

Faça como milhares de parceiros e use a moObie para aumentar a sua eficiência e seu faturamento. Clique aqui e faça seu cadastro!

Fonte: Pequenas Empresas & Grandes Negócios



[ad_2]

Source link