Os aluguéis de veículos despencaram no Brasil com o avanço da pandemia do coronavírus. Só entre os 200 mil carros alugados para motoristas de aplicativos, aproximadamente 160 mil já foram devolvidos desde o início da quarentena, há 2 meses.

A Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla) afirma que “há um movimento das locadoras para auxiliar a retomada desses profissionais do volante entre seus principais clientes de aluguel de automóveis“, como descontos para os trabalhadores de apps.

Esse crescimento estava sendo puxado tanto por aluguéis como pela revenda dos veículos usados dessas empresas. No caso dos aluguéis, o “boom” dos aplicativos ajudou a turbiná-los. Ao todo, hoje as locadoras têm 997.416 veículos emplacados distribuídos entre motoristas de aplicativos, frotas de empresas e o público em geral, diz a Abla.

Com a pandemia, todos os segmentos de aluguéis tiveram baixa, segundo a associação. Entre as locações diárias, que podem ser feitas por qualquer pessoa, a queda é de 90%. A locadoras têm 480 mil veículos destinados para esta modalidade, mas 430 mil estão parados.

O menor impacto foi sentido entre os contratos mensais, como os chamados “carros por assinatura’ (aluguéis por prazos mais longos de veículos zero quilômetro, comprados direto das montadoras pelas locadoras) e os de terceirização (alugados para frotas de empresas).

Neste caso, a redução foi de 20%, mas as locadoras têm sofrido com inadimplência e pedidos de renegociação por parte dos clientes. A associação não disse quantos pedidos foram feitos.

Aluguel como serviço essencial

Considerado serviço essencial pelo governo federal, o aluguel de veículos não recebe a mesma classificação na maioria dos estados brasileiros, segundo a Abla. Apenas 5 seguem a recomendação: Distrito Federal, Espírito Santo, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

Para o presidente da associação das locadoras, Paulo Miguel Jr., a permissão para um funcionamento mesmo que parcial poderia amenizar a situação do setor.

Ele atenta para a possibilidade do atendimento de atividades essenciais, como hospitais, laboratórios e poderes públicos, pelos carros das locadoras – que precisam manter a manutenção em dia.

Ele também se queixou da falta de ajuda do governo federal para as empresas do setor, ao contrário de outros países no mundo. “Ninguém consegue os financiamentos a taxas aceitáveis para manter a operação“, disse, sobre medidas anunciadas pelo governo federal.

Para a sobrevivência dos aluguéis, as locadoras têm como hábito a transferência de parte de suas frotas entre estados e municípios de acordo com aumento ou queda sazonais da demanda pelo serviço.

Risco de desemprego

O presidente da Abla afirmou que, até o momento, as locadoras têm conseguido administrar a crise com medidas do governo, como a postergação de tributos e a suspensão de contratos de trabalho.

O que a gente vai ter, efetivamente, daqui para frente, é um desemprego generalizado no setor“, disse Paulo Miguel Jr, apontando para a falta de caixa das empresas para manter a estrutura sem o funcionamento das atividades.

Ainda é cedo para medir o impacto e fazer previsões sobre questões financeiras, mas o executivo afirmou que, em meados de abril, o faturamento do setor pode ter caído entre 70 e 80%.

Com isso, deverá aumentar é a idade média da frota, dos atuais 14,9 meses para 18 a 20 meses, já até o final de 2020.

Vendas diretas

São incluídas na modalidade de vendas diretas as compras feitas por empresas diretamente das fabricantes, ou seja, de veículos destinados a locadoras e frotas, ou em outras operações feitas por concessionárias, como pessoas com deficiência (PCD), taxistas e produtores rurais.

Mesmo com a queda do mercado pela pandemia, a participação desse tipo de venda aumentou em 2020, segundo a Fenabrave. Das 51.362 unidades emplacadas de automóveis e comerciais leves em abril deste ano, 50,57% foram para vendas diretas – ou seja, em torno de 26 mil.

No mesmo período de 2019, a participação foi de 46,83%. Ou seja, das 221.292 unidades emplacadas, cerca de 104 mil foram para vendas diretas. A queda em relação aos períodos foi de 75%, menos do que os quase 77% dos números gerais de emplacamento das categorias correspondentes.

Vendas ou emplacamentos?

Em abril, os emplacamentos caíram 76% em relação ao mesmo período de 2019. Isso não quer dizer, no entanto, que as vendas tenham caído na mesma proporção.

A confusão nas definições pode ser explicada porque uma venda não significa, necessariamente, um emplacamento. As fabricantes, por exemplo, afirmam que os números reais do mercado podem ter sido “mascarados”.

Alarico Assumpção Jr, presidente da Fenabrave, a associação das concessionárias, discorda. “Ele é 100% real (o número de emplacamentos). São veículos faturados, independentemente de estarem com o porte ou não da placa. A partir do instante que ele tem a nota fiscal emitida, ele já sai para o sistema do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) nacional automaticamente“, afirmou.

O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), porém, disse que um veículo só é considerado emplacado quando o Detran estadual recebe os documentos do veículo e a nota fiscal para fazer as transações necessárias com o Renavan para emplacar.

Como este procedimento está parado (emplacamentos) devido à pandemia do coronavírus, os dados de abril poderão ter diferença no número de veículos vendidos e comprados“, afirmou o Denatran.

Fonte: https://g1.globo.com/carros/noticia/2020/05/15/motoristas-de-aplicativo-devolveram-160-mil-carros-por-causa-da-queda-no-servico-dizem-locadoras.ghtml

Fonte: Blog das locadoras