[ad_1]

Nem trabalha sete dias na semana, sem folga, mas pra ele chegar 5h da manhã no Mercado São Sebastião é um prazer

Nem, rei da língua – Foto: Thamires Oliveira

O cozinheiro Francisco Antônio Serafim da Silva, 56 anos, começou seu restaurante no Mercado São Sebastião porque a mãe já tinha um comércio no local. Nem, que nem sabia cozinhar na época, entrou de cabeça na gastronomia regional. Aprendeu culinária com a mãe e com sua primeira funcionária, Maria de Fátima Oliveira, parceira de cozinha há 28 anos, e abriu um box para servir comida regional cearense. Hoje, o restaurante Nem, O Rei da Língua soma cinco boxes e uma clientela que começa a chegar às 7h da manhã, procurando um café da manhã regado a panelada, buchada ou língua.

“O meu prato de Língua tem amor, tempero, uma carne macia e um segredo, que não contamos pra ninguém”, fala Nem. Foi um cliente que criou o apelido que o fez famoso na cidade, mas o reconhecimento veio também com prêmios que ganhou inclusive em competições nacionais. O público, que adora sentar para comer e jogar conversa fora, teve que mudar os hábitos por causa da pandemia, mas Nem afirma, apesar das dificuldades quando teve que fechar seu restaurante, que sua clientela fiel ainda vem para matar a vontade do seu cardápio repleto de pratos regionais. Ele garante que todo dia tem panelada, sarrabulho, carneiro, buchada, sarapatel, assado de panela, e claro, a Língua.

Serviço:
Nem, rei da Língua – Mercado São Sebastião
Rua Clarindo de Queiroz, 1745 – Centro, Fortaleza.
https://www.instagram.com/nemreidalingua123/

Nem, o rei da Língua é o 1º personagem da nossa série “Valores da Gastronomia em Fortaleza. O projeto foi proposto aprovado no VII Edital das Artes (2018), categoria Mídia Digital, da Secretaria de Cultura de Fortaleza.

Comentários

Comentários



[ad_2]

Source link